PRATICANDO O CONTRA ESTERÇO EM VIAGENS DE MOTO

21/07/2011 23:48

alt
Uma forma eficaz de reduzir o desgaste do corpo em viagens longas é aplicar algumas técnicas que facilitam a condução da motocicleta e tornam a pilotagem mais segura. Uma dessas técnicas é o contra esterço. Com ele, a moto faz a curva de forma mais precisa, mantém a velocidade e nosso corpo utiliza um mínimo de força na manobra.

O contra esterço ocorre como reação da moto ao efeito giroscópico das rodas, que surge em velocidades superiores a 35 km/h e se torna mais intenso quanto maior for a velocidade. Ele ocorre porque a roda dianteira sai do alinhamento com a roda traseira e, na busca de retomar o equilíbrio, a moto gira no sentido contrário, forçando o alinhamento.
Tá complicado? Não se preocupe. Não precisa entender física para que a técnica funcione.
 
Em velocidades baixas, pilotamos girando o guidão para a direção onde desejamos ir, mas em velocidades mais altas, ao utlizar o contra esterço, fazemos o contrário, giramos o guidão para o lado oposto ao que queremos ir. Com isto, a moto se inclina para o lado interno da curva, sozinha. Ou seja, nós giramos o guidão para o lado "errado" da curva, para que a moto vá para o lado "certo".

Este efeito pode ser observado com a moto parada: com ela na vertical, vire o guidão para um lado até o batente. Ela tenta "cair" para o lado contrário. O mesmo vale para qualquer velocidade. A diferença é que, quanto mais rápido a moto estiver, maior vai ser a intensidade do contra-esterço e a moto fará a curva mais "no  chão".

O contra esterço pode ser aplicado para vários objetivos:
  • Desviar a trajetória;
  • Direcionar a moto na curva;
  • Recolocar a moto de volta na posição vertical após a curva;
  • Corrigir derrapagem de traseira;
  • Recuperar a trajetória na curva;

 Fonte: Viagem de Moto