© 2019 by  Canal da Moto created with Wix.com

Dicas de Manutenção - Como limpar e lubrificar a corrente da moto

Dicas de Manutenção – Como limpar e lubrificar a corrente da moto

Uma corrente de transmissão limpa e lubrificada é sinal de moto mais saudável! Muitos motociclistas desconhecem a necessidade de manter este componente limpo e lubrificado, e muitos outros não sabem como o fazer. Aqui ficam as nossas dicas para manter a corrente da moto limpa e lubrificada

Uma corrente suja e seca não só dá mau aspecto à moto, como pode causar danos no kit de transmissão

Se eu lhe perguntar quais os componentes que você considera como mais importantes numa moto, o mais provável é que a sua resposta se divida entre motor, travas, suspensões, quadro, ou mais recentemente com a entrada em cena das unidades de medição de inércia,  o pacote eletrónico. É natural que a sua resposta seja neste sentido, pois de fato é aí que todos centramos as nossas atenções.

Mas há outros componentes que devem merecer a nossa atenção quando realçamos a sua importância na performance da moto. 

 
A transmissão final por corrente é uma das opções mais populares por parte dos grandes fabricantes, e embora à primeira vista uma corrente que une o pinhão de ataque (à frente) e a cremalheira (atrás) pareça uma solução relativamente básica, a verdade é que é uma solução bastante eficaz.

As correntes de transmissão final podem estar localizadas tanto do lado esquerdo da moto, como no lado direito. Há correntes para motos de menos cilindrada, há correntes para motos desportivas com mais de 200 cv. E se calhar devemos começar, antes mesmo de falar de como limpar e lubrificar a corrente,  perceber quais os diferentes tipos de correntes de transmissão que podemos encontrar e usar nas nossas motos.

Há, basicamente, três tipos de correntes para motos:

- Não seladas: Normalmente são encontradas em motos mais antigas, não têm qualquer tipo de lubrificação interna. É apenas uma corrente composta por elos metálicos interligados entre si de forma direta. Por esta razão estas correntes obrigam a uma manutenção mais acurada;

- O-ring: Estas correntes contam com um O-ring que fica colocado na união entre os elos da corrente. Estes O-rings permitem manter os pinos que fixam os elos lubrificados, e ao mesmo tempo impedem a entrada de terra e outros detritos para a corrente ;

- X-ring: Estas correntes são praticamente iguais às O-ring, mas o formato do selo de borracha é em X e não em O. Foram inicialmente desenvolvidas para uso em competição, pois têm menor atrito e com isso aumentam a velocidade. O preço é bastante mais elevado do que as mais convencionais O-ring, pelo que a sua compra / utilização deverá ter em conta a utilização da moto. Será uma corrente ideal para quem procura ganhar aqueles milésimos de segundo na pista.



Não tem a certeza de qual é o tipo de corrente que tem na sua moto? Será uma O-ring ou uma X-ring? Não há problema! Olhe para a corrente da sua moto, mais especificamente para a secção da corrente que está a cobrir e agarrada à cremalheira. Nesse local são visíveis as peças de borracha (selos) entre os elos da corrente. Essas borrachas têm um formato em O ou em X? Está aí a resposta à sua dúvida.

Agora que já ficou com uma ideia do tipo de corrente que pode encontrar e usar na sua moto, vamos então limpar e lubrificar a corrente! Mas vamos preparar esta operação de manutenção antes mesmo de sujar as mãos com o óleo de corrente.

Para completar esta operação de manutenção vai necessitar de algumas coisas: dois panos (t-shirts velhas são uma ótima opção), luvas de borracha resistentes, spray WD-40, papel absorvente de cozinha, um bocado de cartão, e, claro, o spray lubrificante para correntes de moto.

No caso aqui apresentado a moto vem equipada com suportes para cavalete. Estes permitem que a moto seja levantada de forma segura, permitindo rodar a roda traseira sem a moto ter de sair da mesma posição. Há motos que têm descanso central, que não sendo a mesma coisa que um cavalete, o efeito final é efetivamente o mesmo levantando a roda traseira.Se a sua moto não tiver nenhuma destas opções, vai ter um pouco mais de trabalho pois terá de andar com a moto para a frente e para trás, para além da mesma ficar inclinada para a esquerda. Se a corrente da moto for do lado direito, o problema não é tão grave. Se a corrente estiver do lado esquerdo, vai ter de se dobrar mais um pouco.Uma última nota para o fato de que a limpeza e lubrificação da corrente da moto,  deve ser feita imediatamente após parar a moto depois de conduzi-la. Isto significa que vai estar a limpar e lubrificar a corrente com a mesma estando quente. A sujeira sai mais rapidamente, enquanto o spray lubrificante agarra-se à corrente mais facilmente

Passo #1 - Limpeza da corrente

Foto 1 de 4: Limpar com WD-40 a sujidade

 

 

Calce as luvas, e pegue num pano e  WD-40. Borrife o pano com o WD-40, esse produto que faz verdadeiros milagres e parece funcionar em tudo. Na zona da cremalheira comece por esfregar de forma mais enérgica o pano na corrente. Vá rodando a roda traseira e limpe toda a corrente. O WD-40 tem dois efeitos: limpa a sujeira e protege lubrificando. Continue a esfregar até verificar que mesmo no interior dos elos da corrente não existe sujeira.

Há quem use nesta fase uma escova para conseguir limpar o interior dos elos 
da

corrente. Caso faça isso, a nossa recomendação é para usar uma escova com pêlos

suaves. Uma opção “low cost” será uma escova de dentes, mas há no mercado

opções específicas, com escovas, que permitem limpar a corrente, com mais

facilidade. 

Passo #2 - Remover excesso de WD40

 

Depois de limpa, devemos remover o excesso de WD-40 Depois de limpar, utilizar

um pouco de papel de cozinha para absorver e remover o excesso de WD-40 na

corrente. Este é o momento em que pode também perceber se a corrente está, de

fato, limpa, ou se ainda necessita de ser mais limpa. Se o papel de cozinha

apresentar marcas pretas de óleo sujo, convém repetir o passo #1.

 

Proteger com um pouco de cartão atrás da corrente e aplicar o spray

Depois de removido o excesso de WD-40, e porque o normal WD-40 não é o produto adequado para lubrificar corretamente a corrente de transmissão de uma moto, temos então de utilizar um spray de corrente específico. Neste particular há diversas opções no mercado, das mais variadas marcas, cada uma com os seus prós e contras.

Por exemplo, eu prefiro usar nas minhas motos os sprays de corrente tipo cêra ou gel. Estes sprays apresentam uma consistência mais espessa, agarram-se melhor à corrente, e sujam menos a moto quando a conduzimos. A parte negativa é que estes sprays não conseguem penetrar tão bem nos elos da corrente.

Os sprays mais líquidos salpicam facilmente as jantes e toda a traseira da moto. No entanto penetram muito melhor nos elos e garantem uma lubrificação mais pormenorizada. Há quem utilize uma combinação destes dois tipos de spray, usando o mais líquido primeiro e depois usando o mais espesso para finalizar. Para ser sincero, não tenho dados objetivos que permitam afirmar que esta opção de usar os dois tipos de spray tenha mais benefícios.

 

Há lubrificantes tipo cêra que deixam a corrente como na imagem

Então e como é que deve colocar o spray? É comum ver os nossos amigos a precisarem de lubrificar a corrente da moto, param num local qualquer, e dão umas “borrifadelas” de spray na corrente que cobre a cremalheira pela parte exterior da corrente. Ora, com a força centrífuga exercida sobre a corrente com a moto em andamento, esse spray vai saltar da corrente de forma mais fácil, o que não apenas diminui a lubrificação como suja a moto.

A maneira mais correta, embora dê mais trabalho, é colocar um pedaço de papelão por trás da corrente, entre a corrente e a roda, e depois aplicar o spray no interior da corrente, rodando a roda para ir aplicando o spray ao longo de toda a corrente. Assim protegemos o pneu e outros componentes de levarem com o spray lubrificante. Desta forma quando a moto estiver a andar, a força centrífuga irá “empurrar” o spray lubrificante do interior para o exterior da corrente, o que não só leva a uma melhor lubrificação, como também não suja tanto.

Cuidado com os excessos!

Ao colocar o spray na corrente tenha em consideração que o excesso de spray que é colocado será ruim para si em duas vertentes. A primeira vertente é ao nível monetário. Uma lata de spray lubrificante de corrente não é demasiado dispendiosa, mas se usar em excesso de cada vez a lata não vai durar muito. Tendo em conta que devemos limpar e lubrificar a corrente a cada 3 a 5 depósitos de combustível (varia conforme as condições de utilização da moto), isso pode significar um “rombo” no nosso orçamento ao final do ano.

A segunda vertente, e esta é bem mais importante, é ao nível da segurança. Spray de corrente em excesso vai salpicar a jante e o pneu, conforme pode ver na foto. Como é óbvio, spray no pneu é o que não queremos, pois o pneu traseiro vai escorregar. Use a quantidade de spray suficiente para cobrir a corrente. Não vale a pena deixar a corrente a “pingar”.

A limpeza final com pano limpo não deve remover o spray lubrificante na totalidade

Depois da corrente estar lubrificada, o meu conselho é esperar um bocado antes de realizar este passo. Normalmente eu espero pelo menos 12 horas entre o passo #3 e o passo #4. Isto permite que o spray seque e se agarre melhor à corrente enquanto esta arrefece de um dia para o outro.

Em relação à limpeza final, o que pretendemos aqui é remover um pouco do excesso de spray lubrificante que fica no exterior da corrente. Pegue no segundo pano (o que não está sujo) e aplique um pouco de WD-40. Não é preciso muito. O objetivo é passar o pano em todo o comprimento da corrente, sem fazer grande esforço, de forma a limpar “levemente” a corrente. Não limpar o interior da corrente!

No final poderá verificar que o interior da corrente, e mesmo a cremalheira, estarão com o spray lubrificante, enquanto o exterior dos elos da corrente estará a brilhar como novo.

andardemoto.pt .

Texto: Bruno Gomes

Fonte: www.andardemoto.com.br