© 2019 by  Canal da Moto created with Wix.com

A Triumph Rocket III 2020: a motocicleta com o maior motor do mundo em linha produção

A Triumph Rocket III foi lançada há pouco com muitas mudanças e, além de mais tecnológica, ostenta o título de motocicleta com o maior motor (em capacidade cúbica) do mundo, é quase certo de que a Triumph a apresente no Salão Duas Rodas como uma das novidades para 2020.

A popularidade do lançamento da nova Triumph Rocket III TFC, apresentada em janeiro deste ano foi tão grande que as 750 unidades da edição limitada se esgotaram rapidamente, antes mesmo da primeira motocicleta sair da linha de montagem. A lendária Triumph Rocket III continua viva e agora chega em duas versões: a R e GT.

A Triumph Rocket III lançada em 2004 já tinha o título referente ao motor com seus 2.294 cm³ divididos entre seus três cilindros instalado longitudinalmente no chassi. Deixou de ser produzida para o mercado europeu, quando o propulsor deixou de atender as normas de emissões Euro 4, mas continuou sendo vendida nos Estados Unidos.

Agora as novas Rocket III incorporam um novo motor com a mesma configuração de três cilindros longitudinais, de refrigeração líquida e 2.458 cm³. A nova versão rende 11 % a mais de potência máxima chegando aos 167 cv a 6.000 rpm, o torque é estonteante, seu pico é de 22,5 kgf.m a baixas 4.000 rpm, nenhuma moto em produção é capaz de produzir tal torque. Para dar uma ideia a 2.500 rpm a roda já recebe mais de 20 kgf.m do virabrequim. Verdadeiro coice!

 

Só no motor a moto emagreceu 18 quilos, isso em função do novo conjunto do cárter, que inclui outro sistema de lubrificação que inclui um tanque seco e um tanque de óleo integral e novos balanceiros entre as muitas peças novas que tiveram otimização de massa.

O total de peso reduzido foi de 40 quilos, grande parte disto veio do novo chassi, uma estrutura de alumínio com entrada de ar voltada para frente e a coluna oca, além dos componentes do motor.

As novas Rocket lll foram anabolizadas e também receberam, recursos de tecnologia eletrônica para ajudar o piloto no domínio, com uma suíte de eletrônicos de alta especificação funcional para maximizar o conforto também.

Entre os equipamentos que os ingleses instalaram nas Rocket podemos destacar o sistema de freios Brembo Stylema Monobloc, usado apenas nas fábricas italianas Ducati e Aprilia, equipando Panigale V4 e RSV4 1100 respectivamente.

A suspensão Showa dianteira e traseira ajustáveis são acessadas pelo painel TFT de última geração da Triumph, onde, através dos punhos iluminados, ABS, controle de tração, quatro modos de pilotagem (Road, Rain, Sport e Rider) e piloto automático estão entre as opções que podem ser controladas.

​A ignição é por sensor de presença e a iluminação FULL LED, manoplas aquecidas (padrão na GT, acessório na R), quickshift no câmbio para cima e para baixo, sistema de monitoramento de pressão dos pneus, sistema para câmera GoPro integrado e navegação são extras opcionais entre os mais de cinquenta acessórios dedicados à Triumph Rocket III.

Entre as duas diferem as posições das pedaleiras, embora ambas sejam ajustáveis, o design do guidão, a altura do assento e o encosto e muitos desses pequenos detalhes estão disponíveis como acessórios originais.

A qualidade do acabamento é do mais alto padrão inglês. A fiação interna através do guidão oferece uma aparência limpa, enquanto as proteções escovadas do sistema de escapamento do cabeçote triplo encantam os olhares. Um detalhe muito interessante é o design das pedaleiras da garupa, que se dobram duas vezes para depois desaparecer na carenagem.

A imponente roda traseira de vinte raios tem aro de 17” e calça um enorme pneu de 240 mm de largura, configuração necessária para aguentar os 22,5 kgf.m e 167 cv despejados nos pneus Avon Cobra Chrome, desenvolvidos especificamente para a Rocket lll.

A versão GT possui um sissybar em alumínio escovado, embora ambos os modelos possam ser facilmente alterados de uma configuração de assento duplo para uma aparência de assento único.

Outras diferenças entra a versão R e GT são: o guidão com duas opções de ajustes verticais na R e três horizontais na GT, altura do assento, respectivamente 750 e 773 mm.

As diferenças entre a Rocket III R e a Rocket III GT são o guidão de estilo roadster, enquanto o GT é mais orientado a passeios na estrada, a altura do assento de 750 mm no R, enquanto o GT é de 773 mm, embora a posição do guidão seja ajustável com duas opções verticais na R e três posições horizontais na GT.

As cores disponíveis são a Korosi Red ou Phantom Black, na versão R e Phantom Black, Silver Ice e Storm Grey (com detalhes em Korosi Red), para a GT.

Os preços ainda não foram confirmados e só estarão disponíveis em novembro, mas fontes da Inglaterra especulam os valores de acordo com a concorrência, o no novo foguete inglês deve ficar ao redor de 19 e 20.000 libras.

 foi lançada há pouco com muitas mudanças e, além de mais tecnológica, ostenta o título de motocicleta com o maior motor (em capacidade cúbica) do mundo, é quase certo de que a Triumph a apresente no Salão Duas Rodas como uma das novidades para 2020.

A popularidade do lançamento da nova Triumph Rocket III TFC, apresentada em janeiro deste ano foi tão grande que as 750 unidades da edição limitada se esgotaram rapidamente, antes mesmo da primeira motocicleta sair da linha de montagem. A lendária Triumph Rocket III continua viva e agora chega em duas versões: a R e GT.

A Triumph Rocket III lançada em 2004 já tinha o título referente ao motor com seus 2.294 cm³ divididos entre seus três cilindros instalado longitudinalmente no chassi. Deixou de ser produzida para o mercado europeu, quando o propulsor deixou de atender as normas de emissões Euro 4, mas continuou sendo vendida nos Estados Unidos.

Agora as novas Rocket III incorporam um novo motor com a mesma configuração de três cilindros longitudinais, de refrigeração líquida e 2.458 cm³. A nova versão rende 11 % a mais de potência máxima chegando aos 167 cv a 6.000 rpm, o torque é estonteante, seu pico é de 22,5 kgf.m a baixas 4.000 rpm, nenhuma moto em produção é capaz de produzir tal torque. Para dar uma ideia a 2.500 rpm a roda já recebe mais de 20 kgf.m do virabrequim. Verdadeiro coice!

 

Só no motor a moto emagreceu 18 quilos, isso em função do novo conjunto do cárter, que inclui outro sistema de lubrificação que inclui um tanque seco e um tanque de óleo integral e novos balanceiros entre as muitas peças novas que tiveram otimização de massa.

O total de peso reduzido foi de 40 quilos, grande parte disto veio do novo chassi, uma estrutura de alumínio com entrada de ar voltada para frente e a coluna oca, além dos componentes do motor.

As novas Rocket lll foram anabolizadas e também receberam, recursos de tecnologia eletrônica para ajudar o piloto no domínio, com uma suíte de eletrônicos de alta especificação funcional para maximizar o conforto também.

Entre os equipamentos que os ingleses instalaram nas Rocket podemos destacar o sistema de freios Brembo Stylema Monobloc, usado apenas nas fábricas italianas Ducati e Aprilia, equipando Panigale V4 e RSV4 1100 respectivamente.

A suspensão Showa dianteira e traseira ajustáveis são acessadas pelo painel TFT de última geração da Triumph, onde, através dos punhos iluminados, ABS, controle de tração, quatro modos de pilotagem (Road, Rain, Sport e Rider) e piloto automático estão entre as opções que podem ser controladas.

A ignição é por sensor de presença e a iluminação FULL LED, manoplas aquecidas (padrão na GT, acessório na R), quickshift no câmbio para cima e para baixo, sistema de monitoramento de pressão dos pneus, sistema para câmera GoPro integrado e navegação são extras opcionais entre os mais de cinquenta acessórios dedicados à Triumph Rocket III.

Entre as duas diferem as posições das pedaleiras, embora ambas sejam ajustáveis, o design do guidão, a altura do assento e o encosto e muitos desses pequenos detalhes estão disponíveis como acessórios originais.

A qualidade do acabamento é do mais alto padrão inglês. A fiação interna através do guidão oferece uma aparência limpa, enquanto as proteções escovadas do sistema de escapamento do cabeçote triplo encantam os olhares. Um detalhe muito interessante é o design das pedaleiras da garupa, que se dobram duas vezes para depois desaparecer na carenagem.

A imponente roda traseira de vinte raios tem aro de 17” e calça um enorme pneu de 240 mm de largura, configuração necessária para aguentar os 22,5 kgf.m e 167 cv despejados nos pneus Avon Cobra Chrome, desenvolvidos especificamente para a Rocket lll.

A versão GT possui um sissybar em alumínio escovado, embora ambos os modelos possam ser facilmente alterados de uma configuração de assento duplo para uma aparência de assento único.

Outras diferenças entra a versão R e GT são: o guidão com duas opções de ajustes verticais na R e três horizontais na GT, altura do assento, respectivamente 750 e 773 mm.

As diferenças entre a Rocket III R e a Rocket III GT são o guidão de estilo roadster, enquanto o GT é mais orientado a passeios na estrada, a altura do assento de 750 mm no R, enquanto o GT é de 773 mm, embora a posição do guidão seja ajustável com duas opções verticais na R e três posições horizontais na GT.

As cores disponíveis são a Korosi Red ou Phantom Black, na versão R e Phantom Black, Silver Ice e Storm Grey (com detalhes em Korosi Red), para a GT.

Os preços ainda não foram confirmados e só estarão disponíveis em novembro, mas fontes da Inglaterra especulam os valores de acordo com a concorrência, o no novo foguete inglês deve ficar ao redor de 19 e 20.000 libras.

Fonte: Blog Salão Duas Rodas

Ismael Baubeta é editor da Revista Motociclismo no Brasil, já passou pela redação das mais importantes publicações de motocicleta do país trabalhando e aprendendo com os melhores jornalistas/especialistas da área. Motociclista há mais de trinta anos, fez da paixão pelas motocicletas sua profissão. Escreve para o blog do Salão Duas Rodas 2019.